Entenda a diferença entre as meningites virais e as bacterianas

Quando ouvimos a palavra meningite, logo nos assustamos, pois sabemos que trata-se de uma doença grave e muitas vezes fatal, mas para nos mantermos imunizados contra ela, é preciso entender de que forma essa enfermidade se manifesta nosso corpo.

A meningite pode ser viral ou bacteriana, sendo a primeira mais fácil de tratar e controlar, enquanto a segunda é mais grave, podendo inclusive levar à morte.

Cada tipo apresenta sintomas diferentes, sendo importante diagnosticá-los o quanto antes para que o tratamento tenha mais eficácia e o risco de sequelas seja menor ou extinguido.

Nesse artigo você entenderá um pouco mais sobre os tipos de contágio da doença, as diferenças entre eles e também seus sintomas. Confira!

 

Meningite Viral

Trata-se da forma mais comum e leve da doença, que provoca uma inflamação das meninges, que são as membranas que revestem e protegem o cérebro e a medula espinhal. Bebês menores de um ano e crianças pequenas são os mais atingidos.

Dentre os principais vírus causadores dessa meningite estão o enterovírus, arbovírus, vírus do sarampo, vírus da caxumba, vírus da coriomeningite linfocítica, HIV-1, adenovírus, vírus do grupo do herpes simples tipo 1 e 2, varicela zoster, Epstein-Barr e citomegalovírus.

Sintomas

O paciente com meningite viral tem sintomas parecidos com os da gripe, com febre e dor de cabeça. Também pode se manifestar a fotofobia (sensibilidade à luz) e vômitos. A nuca fica pouco rígida e dolorida.

A maioria dos casos a doença evolui sem grandes complicações e o tratamento visa apenas controlar a dor e a febre por meio de medicamentos.

Transmissão

A meningite viral pode ser transmitida pela saliva de uma pessoa infectada ao tossir, espirrar, beijar ou falar.  Existe ainda a possibilidade de transmissão pelas fezes, no caso do enterovírus.

 

Meningite bacteriana

É a forma mais grave da doença e deve ser tratada o mais rápido possível, já que quanto antes ela é combatida, menores são as chance do cérebro ser danificado e também de acontecer infecção generalizada, levando à morte.  O tratamento é realizado com antibióticos por via venosa.

Vale relembrar que a meningite causa um inchaço das meninges, o que pode danificar nervos e o cérebro, causando sequelas graves.

Os tipos de meningites bacterianas mais comuns são causados pelas bactérias meningococo, pneumococos e haemophylus, sendo a primeira a mais contagiosa e perigosa.

Já a meningite pneumocócica e a haemophylus apresentam um menor número de casos, já que as vacinas contra essas enfermidades são bastante eficazes na prevenção.

 

Sintomas

O principais sintomas são febre alta com início súbito, dor de cabeça muito intensa e contínua, vômitos em jato, náuseas, rigidez de nuca, dor no pescoço, pequenas manchas vermelhas na pele.

No caso de bebês com menos de um ano é preciso ficar atento também se a moleira está tensa ou elevada, irritabilidade, inquietação, rigidez corporal com ou sem convulsões.

Transmissão

A doença pode ser transmitida pela eliminação de gotículas de secreção ao tossir, falar ou espirrar.

 

Sequelas

As complicações e, consequentemente, as sequelas podem variar de gravidade conforme o paciente e o nível da infecção. Elas podem ser também temporárias ou permanentes. Entre as mais comuns estão perda da audição e visão, problemas com memória, concentração, coordenação motora, equilíbrio, aprendizado e fala, epilepsia e paralisia cerebral.

Imunização

Para se imunizar contra a meningite, seja ela viral ou bacteriana, é preciso se vacinar. O sistema público de saúde brasileiro oferece gratuitamente nos postos apenas a vacina contra a meningite C, indicada para bebês (aos 3 e 5 meses e com reforço aos 12 meses) e para adolescentes (dos 11 aos 14 anos).

A proteção completa contra a meningite só é garantida com outras três vacinas, que são encontradas somente em clínicas particulares. São elas:

Meningo B: Previne contra meningite bacteriana do tipo B, causada pela bactéria meningococo do tipo B.

ACWY (Meningocócica Conjugada Quadrivalente): Previne contra meningite bacteriana causadas pela bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y.

Pneumo 13: Protege contra infecções invasivas causadas por 13 subtipos da bactéria pneumococo que podem ser causa de pneumonia, meningite e otite, entre outras doenças.

 

Proteger Vacinas

Agora que você já sabe como a meningite se manifesta, de que forma se dá o contágio e o risco que sua família corre caso manifeste a doença, chegou a hora de se proteger.

Nas unidades de Florianópolis e Palhoça da Proteger Vacinas você encontra as três imunizações que compõem o ciclo completo contra a meningite viral e bacteriana.

Entre em contato conosco, tire suas dúvidas e saiba mais detalhes das doses necessárias. Temos uma equipe completa e capacitada para atender você e sua família com toda qualidade e eficiência!

Você pode gostar

Entenda mais sobre a vacina Meningo B e para quem ela é indicada.

HPV: o que é e por que é importante vacinar o seu filho?

Crianças na quarentena: o que fazer e quais são os cuidados necessários?

Quarentena COVID-19: 5 dicas para cuidar da sua saúde mental

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *